Conheça o clássico Superunknown do Soundgarden

Conheça o clássico Superunknown do Soundgarden

O Superunknown do Soundgarden foi um marco dentro do Grunge pra mim por misturar o peso que a banda já tinha em uma timbragem mais limpa. Foi amor à primeira audição, assim como aconteceu com o Dirt do Alice In Chains, o Nevermind do Nirvana e o Badmotorfinger do Soundgarden.

É claro que eu sou meio suspeito pra falar porque sou fã do Chris Cornell e do Matt Cameron (o que ele faz em Black Rain, por exemplo, é sensacional). São os meus vocalista e baterista preferidos do Grunge e tento até fazer jus ao meu ídolo na Taxi Driver.

Então tudo bem, acho que você não terá uma visão muito imparcial, mas ok. É sobre esse clássico que falarei hoje, abordando algumas curiosidades do álbum e dando minha opinião pessoal sobre cada faixa de um dos maiores lançamentos das bandas de rock anos 90.

4 fatos sobre o Superunknown do Soundgarden

Capa do álbum Superunknown do Soundgarden

Acho que a principal curiosidade desse álbum é a capa que ficou conhecida como Screaming Elf. Ela é basicamente uma imagem distorcida de todos os membros da banda, além de ter uma floresta de cabeça pra baixo e… queimando!

Kevin Westenberg (autor da arte) explicou um pouco mais sobre a capa do Superunknown do Soundgarden no seu Instagram, mostrando a foto original:

https://www.instagram.com/p/BUiA4b4AB4f/?utm_source=ig_embed

O segundo fato é que Chris Cornell declarou em várias entrevistas que a banda não previa o sucesso de Black Hole Sun. Ele mesmo diz que não tinha certeza se essa música era propícia ao Soundgarden.

Além disso, essa faixa também exemplifica o terceiro fato: o Superunknown do Soundgarden marcou a transição da banda para o Rock. Eles tinham ganho Grammys de melhor álbum de Heavy Metal com o Badmotorfinger, mas preferiram se redirecionar.

READ  Heavy Metal: tudo que você precisa saber sobre o gênero

Por fim, chegamos ao último fato do produtor Michael Beinhorn contar que Chris Cornell danificou diversos microfones com a voz. De acordo com ele, Cornell cantava tão forte nas seções agudas que acabou gerando esse “prejuízo” ao estúdio.

Superunknown do Soundgarden: faixa a faixa

O Superunknown do Soundgarden tem uns toques até mesmo de Rock Clássico que são muito a minha cara. A Fell On Black Days me lembra demais os anos 70, mas com uma pegada mais down, enquanto a sensacional 4th of July só me lembra Sabbath.

Muitas coisas me agradam aqui e alguns trechos específicos das músicas me chamam muita atenção, então eu farei comentários estritamente pessoais, ok? Sem mais delongas, vamos dar uma ouvida em cada faixa!

Let Me Drown

Eu confesso que levei um baque na primeira vez que eu ouvi essa música no meu aparelho de som. A bateria extremamente poderosa soou muito destacada e foi paixão a primeira ouvida (mesmo eu já sendo fã a beça do Matt Cameron). Nota 5/5.

My Wave

Eu sou fã de grooves e sempre gosto bastante dessa música quando a ouço solta. Os versos grooveados (mas marcadões) contrastados com um refrão alegrinho (e com umas guitarras cheias de efeitos) me chamam muita atenção.

No entanto, depois de Let Me Drown, também sempre me dá aquela sensação de que poderia ser mais. Nota 3/5.

Fell On Black Days

Bem, o que eu queria mais aparece aqui. Já ouvi milhares de versões da Fell On Black Days e nunca me canso dela. O riff principal é simplesmente sensacional e a interpretação do Chris Cornell é absurda. Nota 5/5

Mailman

Eu adoro a voz do Chris no refrão dessa música e o falsetinho que ele dá nos versos. Mas pra mim o destaque fica pros efeitos de guitarra no fim da música extremamente bem colocados por Kim Thayil!

READ  Rock Internacional Anos 90: conheça a salada musical da década

O ruim é que em alguns momentos ela pode parecer meio monótona, mas ouça e tire suas próprias conclusões. Nota 4/5.

Superunknown

A faixa título Superunknown do Soundgarden é uma das que menos me chama a atenção. Eu gosto bastante da dobra vocal no refrão e do interlúdio/solo no fim da música, mas não saio muito disso aí. Pra mim é outra Nota 3/5.

Head Down

Quem ouve essa introzinha e não se apaixona de cara não tem o meu respeito. Gostosinha demais. A música segue uma linha bem, digamos, “vibes” em vários momentos e eu acho que essa é a proposta.

Acho que para alguns a “””monotonia””” pode incomodar, mas ela tem umas subidas em uns refrões. Bem, eu particularmente gosto bastante e dou Nota 4/5.

Black Hole Sun

Preciso falar alguma coisa dessa música? Novamente, que efeitos maravilhosos na guitarra e que interpretação absurda. Mas o que eu mais gosto mesmo desse clássico do Superunknown do Soundgarden é o coro que vai tendo cada vez mais vozes nos refrões do fim da música.

Como diriam nossos pais: É MUITO SOM. Nota 5/5.

Spoonman

Não me vem nada à cabeça pra falar dessa música além do fodendo solo de colher. Fiquei pasmo quando percebi isso ao ver um vídeo do Rick Beato analisando a música. Deixe o mestre falar por mim, eu me recolho à minha ignorância e só dou uma Nota 5/5.

A análise do solo de colher aparece em 11:06

Limo Wreck

Ok, essa pra mim é a melhor música do álbum, sem sombra de dúvidas. A levada arrastadíssima me traz uma sensação de desconforto bem grande e acho que a voz contribui bastante pra isso. Sombrio e pesado, principalmente o final. Nota 5/5.

The Day I Tried To Live

Mais uma introzinha muito gostosa (embora seja mais pra baixo), mas esse é um hit que não me conquistou tanto. O refrão novamente tem uns efeitos bem legais e eu adoro a linha de baixo dessa música, mas não me pegou tanto quanto as outras. Nota 3/5.

READ  Conheça as 4 bandas de rock anos 90 mais pesadas

Kickstand

Aqui eu confesso que pensei ter pensado que o álbum já tinha acabado. Nunca gostei das músicas mais “””animadinhas””” do Soundgarden e essa não é diferente. Nota 2/5.

Fresh Tendrils

Adoro o “groove” que a guitarra faz nos versos e a subida na dinâmica da voz. A banda não acompanha tanto, mas acho que a ideia é trazer uma parada mais “vibes” aqui também.

E acho que esse é o refrão que mais gosto dessas menos faladas do Superunknown do Soundgarden. Destaque pra parte que o Chris Cornell fica só com a bateria, bem legal! Nota 4/5.

4th of July

Mais uma bem soturna no estilo da Limo Wreck, só que dessa vez ainda mais pesada. A dobra da voz na música toda é uma sacada que eu curti bastante e, pra mim, deu um clima meio louco no conjunto. Gosto a beça dela, Nota 5/5

Half

Half é quase que uma experimentação pra banda explorar os efeitos. Acredito que tenha muita gente que pule essa música no Superunknown do Soundgarden e não goste dela, mas eu acho um bom “semi-término” de álbum. Nota 4/5.

Like Suicide

Mais uma linha de baixo bem legal e outra música bem “vibes”. Novamente, acho que alguns podem não gostar (principalmente aqueles que não curtirem músicas longas), mas pra mim também é bastante gostosa. Nota 4/5

Essa brincadeirinha deu a nota final de 4,06 pro Superunknown do Soundgarden e agora eu te convido a também fazer a sua própria análise nos comentários. Vale também dizer que eu falei muita merda e que não concorda em nada comigo haha

Só não vale deixar de conhecer o Carminium e acompanhar o nosso trabalho! Siga-nos no Instagram e conheça todas as nossas músicas, acompanhe nossos shows e mais.

Cláudio Feitosa

Vocalista e tecladista da Carminium, fã de Rock Clássico, filmes e culinária. Vascaíno sofredor nas horas vagas

Deixe uma resposta

Fechar Menu