O brilho do Rust In Peace do Megadeth

O brilho do Rust In Peace do Megadeth

O primeiro EP da Carminium está em processo de mixagem e eu costumo falar para o produtor trazer mais brilho pra mix. Felizmente ele já me corrigiu várias vezes dizendo que o que eu quero não é brilho, mas sim outra coisa. E é essa outra coisa que eu encontro no Rust In Peace do Megadeth.

Esse é um álbum que tem preso e pressão, mas eu sinto bastante do fator “””brilho””” que não consigo enxergar em outros do Thrash Metal. Na realidade, eu não sou um grande fã do gênero, mas o pessoal do Mustaine forma algo quase como uma das minhas bandas de cabeceira quando penso no universo do Heavy Metal.

Além disso, o Rust In Peace do Megadeth é um dos meus álbuns preferidos. Até pouco tempo atrás estava no meu top 20 e eu precisava falar dele por aqui. Então, vamos começar mostrando como essa banda influenciou o Roots Metal para partir aos comentários de cada música!

Influências do Megadeth no Roots Metal

A banda mais influenciada pelo Rust In Peace do Megadeth no Roots Metal certamente é o Hellming. War Bullets é uma faixa do EP demo dos caras que tem tanto a letra, quanto o intrumental altamente inspirado na banda:

O Carminium tem muitas influencias do Megadeth, principalmente vindas do baixista Matheus Campos. O peso extraído de nomes como Rex Brown e, claro, David Ellefson, é bastante visto na Lady Coldness:

READ  Thrash Metal: tudo que você precisa saber sobre o gênero

Rust In Peace do Megadeth faixa a faixa

Rust In Peace do Megadeth

Falar de Megadeth é falar de riffs geniais. E esse álbum está REPLETO disso. E mais: com timbragens magníficas e solos sensacionals. A cozinha também estava inspiradíssima, pois o álbum tem um balanço incrível, quase que grooveado. Sem mais delongas, vamos aos comentários dessa obra-prima.

Holy Wars… The Punishment Due

Começar um álbum com esse riff não é algo pra qualquer um, mas é isso que mostra o peso das bandas de rock anos 90! E que tal o riff que entra em 4:36 depois do solo ultra melódico do Marty Friedman? Essa é, pra mim, uma das melhores músicas do álbum e, talvez a faixa com os melhores riffs. Absurda demais! Nota 5/5.

Hangar 18

Essa é uma música amada por muitos fãs do Rust In Peace do Megadeth, mas eu não estou entre eles. Particularmente, acho o riff da introdução meio chato, mas gosto da levada que a música tem durante os versos. No geral, a música não me pega tanto quanto outras do álbum, mas a mudança que acontece em 2:50 é muito maneira. Nota 2/5 (não me matem).

Take no Prisoners

Take no Prisoners! Take no Shit! É impossível lembrar dessa música e essas frases não virem imediatamente à cabeça. O riff de introdução é outro absurdo é aquele mais grooveadinho que aparece em 2:40 junto da bateria que vem depois… genial! Nota 4/5.

Five Magics

Essa é mais uma música do Rust In Peace do Megadeth amada pelos fãs e que também não me pega tanto. Eu adoro o baixo aqui e as mudanças de tempo que a música tem (tem até um 5/4). Principalmente a parte que vem em 3:22. No entanto, mesmo tendo todo esse conjunto quase que prog, não consigo abraçar tanto a Five Magics. Nota 3/5.

READ  Graves, melódicos e agressivos: O contrabaixo na história do Metallica

Poison Was The Cure

Ok, agora um lado B, digamos assim, desse álbum. A introdução quase que toda no baixo é excelente e o contraste com a rapidez que vem depois é um deleite pra qualquer fã de Thrash Metal. Eu não abraço tanto essa rapidez, mas tenho que dar o braço a torcer pra essa música. Principalmente o final dela é absurdo! Nota 4/5.

Lucretia

Adoro os versos dessa música e os agudinhos que o Mustaine manda. A música ainda tem um balanço legal na seção instrumental após os versos e consegue me prender com a volta ao ótimo riff introdutório. E o solo? Não sei você também tem a mesma sensação na primeira parte, mas me lembra muito a veia do Youthanasia! Nota 3/5.

Tornado Of Souls

Pra mim, essa música é perfeita e é a melhor do Rust In Peace do Megadeth. Quiçá de toda a discografia! Riffs surpreendentes, refrão que fica na cabeça, solo ABSURDO. E o que dizer da cadenciada que a música dá em 2:28 pra chegar ao solo? Que baixo e bateria maravilhosos! Nota 5/5.

Dawn Patrol

Depois da sequência de porradas, acho que vir uma música carregada pelo baixo é ótimo. Quebra o clima e dá uma vibe mó legal ao álbum. E eu ainda acho essa linha beeem legal. Nota 4/5.

Rust In Peace… Polaris

O Rust In Peace do Megadeth tem introduções de tudo quanto é jeito e aqui é a vez da bateria brilhar. Mas melhor ainda que essa parte é a brincadeira com os pratos depois do primeiro verso e no refrão. Além disso, que pré refrão épico! Pra mim, o melhor do álbum sem sombras de dúvida. Nota 5/5.

READ  Thrash Metal: tudo que você precisa saber sobre o gênero

My Creation

Esse é o fechamento do álbum e, sinceramente, pra mim, não acrescenta muito. Se terminasse com o Rust In Peace já estava ótimo. Não vou nem dar uma nota porque a vibe é total de fechamento mesmo haha

Nota final: 3,88

Talvez eu não conheça algumas coisas do conceito do álbum. Talvez a última música tenha alguma história por trás. Talvez eles tiveram Ou talvez você tenha achado que eu falei muita bosta. Ok, quero ouvir suas opiniões e as suas impressões sobre esse álbum, sejam elas quais forem! Então comenta aí!

E se você quer perceber influências do Rust In Peace do Megadeth em álbuns atuais, não se esqueça de seguir as bandas do Roots Metal no Instagram. Pode ter certeza que a gente absorveu muita coisa dessas músicas icônicas!

Cláudio Feitosa

Vocalista e tecladista da Carminium, fã de Rock Clássico, filmes e culinária. Vascaíno sofredor nas horas vagas

Deixe uma resposta

Fechar Menu